Posts

Setor de tecnologia vai ganhar novo estímulo com o 5G


03/08/2022

Por Phillipe Scerb – Mestre em Ciências Políticas pela SciencesPo-Paris e Doutorando pela USP



Se há uma área que passou incólume à instabilidade do mercado de trabalho nos últimos anos foi a área da tecnologia.



A pandemia atingiu diversos setores da economia e segue provocando impactos negativos, reforçados ainda pela guerra na Ucrânia. Por outro lado, os efeitos do isolamento social aceleraram o desenvolvimento da área de tecnologia, que já despontava como o setor mais promissor do mercado de trabalho para o futuro.



Agora vamos nos deparar com um novo impulso para esse setor; a chegada da quinta geração de internet móvel, o 5G. No Brasil, isso começou a ganhar forma com o leilão de novembro do ano passado e avança com o início do funcionamento das redes neste mês de julho.



O 5G, além de oferecer uma velocidade dez vezes maior que o 4G, tem uma latência (medida do tempo entre o envio e o recebimento de dados por um dispositivo móvel) consideravelmente menor. Desse modo, a resposta de celulares, carros autônomos e outros equipamentos aos comandos será praticamente espontânea, permitindo uma funcionalidade de que não dispomos hoje.



O resultado da difusão da quinta geração de telefonia é a explosão da demanda por profissionais de áreas como big data, inteligência artificial, internet das coisas, segurança da informação e dados. Bem como o surgimento de novas carreiras para desempenhar tarefas que ainda não existem.



Segundo o Fórum Econômico Mundial, até 2035 o 5G pode criar até 22 milhões de empregos especializados ao redor do mundo. São inúmeras possibilidades que vão se abrir e os profissionais mais habilitados para imaginá-las e desenvolvê-las sairão na frente.



Vários profissionais já estão habilitados a aproveitar a oportunidade que se aproxima. Mas mesmo eles terão de buscar novas capacitações diante do desaparecimento de funções demandadas hoje e o aparecimento de outras, menos mecânicas.



Nesse sentido, a atual carência de mão de obra especializada e qualificada na área de tecnologia, verificada a cada abertura de processo seletivo, tende a se agravar. O que abre oportunidades para uma nova geração de profissionais e também para aqueles que estiverem dispostos a reorientar suas carreiras.



Para esses casos, porém, é importante ter em conta a realidade desse setor e as exigências que se impõem a todos que nele trabalham. Especialmente, a capacidade de se adaptar às mudanças aceleradas que, como o 5G, demandam do profissional uma atualização constante às transformações dos produtos ofertados, dos serviços prestados e da dinâmica do mercado de trabalho.