Posts

Janeiro Branco é oportunidade para falar sobre saúde mental

Por Eliane Franco Figueiredo – CEO da PROJETO RH, Psicóloga e Especialista em Recrutamento e Seleção.



Provavelmente, nunca se falou tanto de saúde mental quanto nos últimos anos. E nem poderia ser diferente. Dentre os inúmeros efeitos negativos da pandemia de Covid-19, um dos mais graves é uma deterioração quase generalizada do bem-estar emocional.



Uma pesquisa de 2021 encomendada pelo Fórum Econômico Mundial mostrou, por exemplo, que mais da metade dos brasileiros considera que sua condição emocional piorou no último ano. A situação é parecida na grande maioria dos países.



Porém, se o quadro piorou, ao menos o tema ganhou uma atenção inédita. A cada dia é mais aceita a ideia de que a saúde emocional é tão – senão mais – importante do que a saúde física. Diversas iniciativas da sociedade civil têm justamente esse objetivo. Como é o caso da campanha Janeiro Branco, que busca chamar a atenção da opinião pública para a gravidade das doenças mentais e desfazer o estigma que ainda as cerca.



A partir, em boa medida, de ações como essas, tem diminuído o preconceito em relação a transtornos mentais e as pessoas têm passado a entender que a integridade emocional é incontornável tanto para o bem-estar pessoal quanto para o sucesso profissional.



Com efeito, os impactos da pandemia sobre o trabalho têm sido determinantes para a deterioração da saúde mental de inúmeras pessoas. Além das mudanças ligadas à rotina, a distância física dos colegas e a intensificação das ferramentas digitais de comunicação agravaram sentimentos como ansiedade e depressão. O que se reverte em uma relação mais problemática com o trabalho, desempenho pior e prejuízo para a carreira de forma geral.



Diante disso, a volta ao trabalho presencial anunciava alguma melhora para os profissionais que não se adaptaram às mudanças trazidas junto com o trabalho remoto. A persistência da circulação do vírus, agora por uma nova cepa, no entanto, deve atrapalhar os planos de empregadores e equipes. De todo modo, o retorno aos padrões que existiam antes da pandemia parece improvável.



Caberá a todos, assim, um esforço de adaptação a uma realidade ainda muito incerta. Por parte dos funcionários, será necessário organizar expectativas profissionais e uma rotina que já não obedece, na maioria dos casos, à lógica rígida do trabalho de antigamente.



Por parte das empresas, caberá alinhar exigências e regras de modo a não sobrecarregar e desgastar a saúde mental de seus colaboradores. Horários flexíveis, personalização de benefícios e condições de trabalho são algumas das iniciativas que deverão ser cada vez mais comuns para dar conta de um novo mundo do trabalho.



Não podemos deixar de aproveitar cada oportunidade para falar da importância da saúde mental e das estratégias para promovê-la em todos os âmbitos da vida, inclusive o profissional. O Janeiro Branco é uma dessas oportunidades e o bem-estar emocional não pode esperar.